Newsletter

Cadastre-se e receba nossos informativos

Nome:
Email:
 
Artigos
Os motivos que fazem a carreira em Recursos Humanos estar em alta
Em: 13/10/2016 por: Por Elisa Tozzi - Você S/A
imagem

Com equipes enxutas, as empresas buscam pessoas que tenham a capacidade de atuar em várias frentes. As empresas procuram por especialistas em eSocial, sistema de preenchimento de dados trabalhistas

Um levantamento baseado no Guia Salarial 2017 da Robert Half, consultoria de recrutamento com sede em São Paulo, e divulgado com exclusividade pela Você S/A, mostra quais carreiras continuam com o mercado aquecido. Mesmo sem um grande reajuste nos salários, as empresas procuram por pessoas que usem a crise como um momento para aprender mais e assumir novas responsabilidades. A seguir, você confere o segundo dos oito setores avaliados com carreiras em alta.

Recursos Humanos

Olhar generalista

A realidade da área de recursos humanos no ano que vem será bem parecida com a de outros setores da economia: quadros pequenos mas bem qualificados. É isso que as empresas estão procurando para enfrentar a crise com eficiência e para garantir que os times sejam formados por funcionários altamente capacitados – essenciais, também, quando o turbilhão passar. Por conta das equipes reduzidas, o perfil generalista é o mais demandado.

“A tendência é que a pessoa seja usada em várias frentes, por isso quem é muito especializado precisa tomar cuidado”, diz Mariana Horno, gerente sênior da Robert Half. “Uma das maneiras de se tornar generalista é trafegar em outros subsistemas de RH.” Ou seja: aproveite as chances de aprender sobre outros assuntos em momentos específicos, como durante a cobertura de férias de um colega – algo cada vez mais comum em estruturas enxutas.

De todo modo, há demanda por alguns especialistas. A área de remuneração e benefícios continua aquecida, pois as companhias precisam potencializar recursos e manter o foco no controle de gastos. Aqui se destaca quem tem perfil analítico e voltado para resultados. Outra questão com a qual as empresas deparam e que exige contratações de especialistas no assunto é o eSocial, sistema de preenchimento de dados trabalhistas, que passará a ser obrigatório a partir de 2017.

Competências essenciais

• Bom nível de inglês

• Olhar estratégico

• Vontade de aprender

• Proatividade

Onde há vagas

• Setor energético

• Farmacêuticas

• Startups de tecnologia

Salários em alta

Generalista — Coordenador/Especialista de RH

• Empresas P/M* = alta de 9,7%

   2016: de 5 500 a 10 000 reais

   2017: de 7 000 a 10 000 reais

• Empresas G* = 2,3%

   2016: de 9 000 a 12 500 reais

   2017: de 9 500 a 12 500 reais

Remuneração e benefícios — Gerente

• Empresas P/M* = alta de 8,3%

   2016: de 9 000 a 15 000 reais

   2017: de 11 000 a 15 000 reais

• Empresas G*= alta de 2,3%

   2016: de 13 600 a 22 000 reais

   2017: de 15 000 a 23 000 reais

* Divisão baseada em faturamento

- P/M: até 500 milhões de reais;

- G: acima de 500 milhões de reais

 

Mais artigos:
21/07/2017 - Público do CONCARH cresce 22% em relação às edições anteriores
11/10/2016 - A geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão
28/09/2016 - e-Social: agora é pra valer!
26/09/2016 - Lideres... Vamos virar a chave?
 
Associação Brasileira de Recursos Humanos Litoral - Regional Itajaí
Sistema Nacional ABRH
Fone: (47) 3342 8877
Rua Samuel Heusi, 463 - Sala 207 - Centro
88301-320 - Itajaí - SC
Todos os direitos reservados 2009.
Desenvolvido por Ydeal Tecnologia.