Newsletter

Cadastre-se e receba nossos informativos

Nome:
Email:
 
Artigos
Paul Bloom: empatia é inata em bebês, mas é a adulta razão que desenvolve uma sociedade compassiva
Em: 20/09/2016 por: Carolina Lisboa - Zero Hora
imagem

Professor de Psicologia e Ciência cognitiva em Yale, o canadense Paul Bloom é Ph.D em Psicologia Cognitiva pela Massachusetts Institute of Technology (MIT). Bloom é casado com a psicóloga canadense Karen Wynn, reconhecida por suas pesquisas sobre as capacidades cognitivas de crianças e adolescentes enquanto diretora do Laboratório de Cognição Infantil em Yale.

Os trabalhos de Bloom foram publicados em revistas como Nature e Science. Ele também escreve, regularmente, para o The New York Times, The New Yorker e The Guardian. Suas pesquisas interligam psicologia do desenvolvimento, teologia, cognição, ciências sociais, linguística e teoria evolutiva para compreender o desenvolvimento e a natureza do senso comum.

Em sua mais recente obra, Just babies: the origins of good and evil, o psicólogo demonstra que sentidos rudimentares de justiça, de compaixão e de empatia já estão presentes nos bebês (assista ao vídeo logo abaixo). Porém, argumenta que isso ainda não basta para erigir uma ética, afinal, somos mais do que bebês. Uma parte fundamental de nossa moralidade, a que nos torna humanos, diz Bloom, vem da nossa enorme capacidade de utilizar a razão para resolver problemas. Para ele, assim como a razão é a criadora das descobertas científicas, é a razão que rege as descobertas morais – por exemplo, o erro na escravidão dos negros. Assista ao vídeo (ative as legendas em português no menu inferior à direita, ao lado do ícone relógio) e, a seguir, leia o artigo da psicóloga Carolina Lisboa, que fala da reflexão sobre o processo de empatia entre seres humanos à qual Bloom nos convidará.

Paul Bloom - Somos nós propensos à ganância ou à empatia? "Parece fazer parte da nossa própria natureza sofrer com o sofrimento dos outros. Sabemos que jovens bebês, quando se tornam capazes de se moverem voluntariamente, compartilharão. compartilharão comida, por exemplo, com seu irmãos e com crianças ao seu redor. Eles vão confortar se virem alguém em sofrimento."

Por Carolina Lisboa - A vinda do psicólogo canadense Paul Bloom a Porto Alegre como um dos palestrantes do Fronteiras do Pensamento nos convida à reflexão acerca do processo de moralidade e empatia em seres humanos. Bloom estuda, dentre outras temáticas, aspectos inatos e aprendidos do processo de desenvolvimento da moralidade em bebês e crianças.

Uma habilidade central para a discussão sobre moralidade é a empatia. Palavra bonita que no senso comum se confunde com simpatia, o termo empatia origina-se, no século 19, do alemão einfühlung, cujo significado se referia a uma projeção da predisposição interna de um observador em resposta à percepção de um objeto estético. Posteriormente, Edward Titchener, psicólogo britânico, usou o termo em inglês empathy, enfatizando que seria possível conhecer a consciência de outra pessoa através da imitação interior ou de um esforço da mente. Pesquisas atuais atestam que a empatia é um aspecto que garante a adaptação saudável dos indivíduos, principalmente através da construção de vínculos seguros e relações positivas.

Pesquisadores como Paul Bloom têm observado que características como altruísmo, compaixão e bondade são instintivas, porém não indiscriminadas. Ou seja, em experimentos, este psicólogo observou que, em geral, nos compadecemos e conseguimos ser mais empáticos com a dor de pessoas próximas e/ou indivíduos específicos do que com a dor de pessoas com as quais não nos identificamos ou que fazem parte de um grupo maior de pessoas. É importante salientar que, além de serem simpáticos ao sofrimento dos outros, os indivíduos precisam se colocar efetivamente no lugar do outro e olhar o mundo através dos olhos dessa outra pessoa.

Tarefa nada fácil, a empatia é um fenômeno emocional, mas predominantemente cognitivo. Bloom estuda e discute a capacidade empática a partir de processos de cognição social. As cognições sociais são os pensamentos orientados para as interações e, neste processo, os seres humanos constroem categorias na sua mente classificando situações, objetos e pessoas a fim de se orientarem no mundo. Bloom analisa as emoções e os comportamentos frente a estímulos aversivos, para compreender casos de exclusão social como racismo e bullying, por exemplo. Parece paradoxal, mas pode-se afirmar que os preconceitos e exclusões sociais têm origem nesse processo adaptativo social saudável que é a construção de estereótipos e generalizações. Tendemos a excluir ou nos afastarmos do que nos é estranho/diferente (aversivo), o que dificulta a empatia nesses casos.

Os jovens da chamada Geração Me ou Geração Y - foco de estudos conduzidos no grupo de pesquisa que coordeno - destacam-se em inteligência, raciocínio lógico e elevada autoestima, porém mostram na clínica psicológica elevado grau de sofrimento psíquico. Os estudos mostram também uma acentuada dificuldade empática desses jovens adultos, assim como traços narcisistas e baixa tolerância à frustração.

O contexto atual caracteriza-se por uma significativa valorização do individualismo, sendo ainda mais desafiador para as pessoas serem empáticas. O que deve ser estimulado nos indivíduos é a capacidade de inferir sobre os pensamentos e sentimentos da outra pessoa, sem necessariamente sentirem o mesmo que esta. Em um mundo globalizado que deveria aproximar e identificar mutuamente as pessoas, observam-se cada vez mais problemas de desrespeito às individualidades.

Talvez o mais difícil seja olhar para nós mesmos e reconhecer nossas próprias emoções. Aceitar as diferenças e a complexidade humana é também essencial. O desafio é grande, mas essa dinâmica de emoções, racionalidade e moralidade é que nos faz humanos. Urie Bronfenbrenner, psicólogo russo, enfatizou que a Ciência Psicológica deve estar a serviço de "fazer seres humanos humanos" (no inglês: making humans being human). Por um mundo menos simpático e mais empático.

 

Paul Bloom, é canadense, Professor de Psicologia e Ciência cognitiva em Yale, Ph.D em Psicologia Cognitiva pela Massachusetts Institute of Technology (MIT). Bloom é casado com a psicóloga canadense Karen Wynn, reconhecida por suas pesquisas sobre as capacidades cognitivas de crianças e adolescentes enquanto diretora do Laboratório de Cognição Infantil em Yale.

 

Mais artigos:
21/07/2017 - Público do CONCARH cresce 22% em relação às edições anteriores
13/10/2016 - Os motivos que fazem a carreira em Recursos Humanos estar em alta
11/10/2016 - A geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão
28/09/2016 - e-Social: agora é pra valer!
 
Associação Brasileira de Recursos Humanos Litoral - Regional Itajaí
Sistema Nacional ABRH
Fone: (47) 3342 8877
Rua Samuel Heusi, 463 - Sala 207 - Centro
88301-320 - Itajaí - SC
Todos os direitos reservados 2009.
Desenvolvido por Ydeal Tecnologia.