Newsletter

Cadastre-se e receba nossos informativos

Nome:
Email:
 
Artigos
A ciência por trás da jornada de trabalho de 6 horas diárias na Suécia
Em: 01/08/2016 por: Por Candice Walsh, tradução autorizada - Via LinkedIn
imagem

Extra, extra: trabalhar 6 horas é melhor do que 8. Espera aí, o quê?

A Suécia virou manchete recentemente por adotar um dia de 6 horas de trabalho, em vez das oito horas, que é o padrão. O que começou como uma experiência em uma fábrica da Toyota na Suécia começou a mostrar sinais de se tornar uma política mais amplamente adotada através das indústrias do país.

E a melhor notícia é que pode estar realmente funcionando.

Por Que Mudar?

A ideia é que empresas terão funcionários mais produtivos e felizes. Para alguns, os resultados têm valido muito a pena. Mas é um pouco mais complicado que isso.

Somente um punhado de empresas na Suécia fez essa transição. Uma dessas empresas é a Filimundus, uma empresa de desenvolvimento de aplicativos baseada em Estocolmo. Linus Felt, seu diretor executivo,acredita firmemente que um dia de 6 horas de trabalho permite que as pessoas mantenham o foco e sejam mais produtivas.

Ele diz, “Minha impressão agora é que é mais fácil ter um foco mais intenso no trabalho que precisa ser feito, e para o qual você tem fôlego, e ainda ter energia para gastar saindo do escritório”.

Além disso, existe o fator felicidade. Funcionários com mais tempo livre para passar com amigos e familiares são inevitavelmente mais fieis aos seus empregadores. Se um funcionário aparecer no trabalho às 8 da manhã e sair às 2h da tarde, (sim, isso inclui uma hora inteira para o almoço), ele poderá ter muito tempo livre na parte da tarde para fazer o que quiser.

Funcionários podem se dedicar a seus hobbies, praticar atividades físicas e melhorar sua saúde física e mental de maneira geral. Ou pelo menos essa é a teoria.

A Lei De Parkinson

Um fenômeno chamado de Lei de Parkinson declara que “O trabalho se expande de modo a preencher o tempo disponível para a sua realização.” Por exemplo, se você alocar cinco horas para completar uma tarefa que você poderia ter feito em duas, você irá inevitavelmente preencher essas cinco horas com “trabalho”.

A Lei de Parkinson apoia o conceito do dia de seis horas de trabalho, afirmando essencialmente que você será tão produtivo em seis horas quanto em oito (ou nove, dez…). O que importa realmente em termos de produtividade é quanto tempo você ou seu empregador alocou para que você complete a tarefa.

Se você tiver a oportunidade de se concentrar e fazer seis horas de trabalho e depois ir embora, e seu empregador está de acordo, você irá inevitavelmente maximizar o tempo que você tem disponível para que você possa ir embora e dedicar tempo às outras atividades da sua vida.

A Ideia Do Dia De Seis Horas De Trabalho Não É Nova

Ela não é nova – mas tem sua origem na Suécia.

Há treze anos, a fábrica da Toyota implantada em Gotemburgo, na Suécia, fez a transição para o modelo de dias de trabalho mais curtos. Desde então, eles relatam ter funcionários mais felizes, uma menor taxa de rotação, e lucros mais elevados.

Outras empresas na Suécia experimentaram esse modelo ao longo dos anos 1990 e 2000, mas descartaram a ideia quando não conseguiram medir o sucesso da reforma.

O que trouxe à tona esse renovado interesse no modelo de seis horas de trabalho? Alguns líderes vanguardistas, ao que parece. Existe até um hospital em Gotemburgo realizando uma experiência de dois anos com ele. Metade dos funcionários trabalha seis horas, enquanto a outra metade continua trabalhando oito horas. (Que azar!)

Até o momento, enfermeiras têm relatado que sentem menos stress, e houve igualmente uma diminuição nas ausências por doença. Ainda é cedo, mas oficiais do hospital também começaram a correlacionar um aumento na qualidade do tratamento dos pacientes com as horas trabalhadas pelos funcionários mais satisfeitos.

Mas, Será o Jeito Certo De Aumentar a Produtividade?

Executivos Suecos estão introduzindo a ideia do dia de seis horas com a esperança de incentivar as pessoas a serem mais produtivas com seu tempo limitado. Com menos horas, elas podem se concentrar em uma tarefa específica.

Isso significa que alguns ajustes no meio de trabalho devem ser feitos, também… especialmente no que diz respeito a distrações. Linus Feldt, por exemplo, baniu telefonemas pessoais e a maioria das redes sociais do escritório, para tentar minimizar o tempo que seus funcionários passam distraídos.

É verdade que focar em uma só tarefa em vez de multitarefas leva a um resultado mais produtivo. Podemos pensar que estamos melhorando nosso desempenho realizando multitarefas, mas na verdade estamos diminuindo a produtividade.

Mas a procrastinação é um vício que podemos curar assim, do dia para a noite?

Não, não exatamente. As distrações estão mais presentes hoje do que nunca, especialmente com as redes sociais ao nosso alcance tão facilmente. Em realidade, a produtividade é algo que requer uma boa quantidade de treinamento cerebral. Você precisa fazer um esforço consciente para atacar de frente suas tendências procrastinatórias.

Isso não significa, porém, que tudo está perdido. Na verdade, fazer uns ajustes no ambiente de trabalho é um passo na direção certa.

Menos Horas Significam Mais Pressão Para Completar As Tarefas

Mais de 40 anos de estudos provam que quando um funcionário recebe menos tempo para realizar uma tarefa, ele ou ela irá trabalhar mais para completá-la. Em um estudo Europeu de ética profissional, os Gregos saíram em cima como os que mais trabalhavam, em termos de horas trabalhadas. Eles não eram, contudo, os trabalhadores mais produtivos.

A mão de obra tem evoluído drasticamente para um foco na criatividade e inteligência, em vez da força bruta das linhas de montagem de antigamente. Trabalhar duro demais pode diminuir o desempenho, porque as pessoas se esgotam ou adoecem, desgastando a empresa.

Além disso, a Suécia (e muitos dos países Escandinavos) é conhecida por uma cultura que valoriza o equilíbrio entre a vida e o trabalho, com somente 1% da população trabalhando mais de 50h por semana.

A Suécia fica consistentemente entre os primeiros do ranking de maior qualidade de vida.

Horas de trabalho flexíveis são comuns se o funcionário conseguir realizar suas tarefas a tempo.

Trabalhar à distância é igualmente muito aceito, quando for possível. Se você trabalhar em um escritório Sueco, você irá notar que as pessoas saem do trabalho para pegar seus filhos na creche e ninguém se importa com isso.

Até pausas para o cafezinho podem durar um pouquinho mais de tempo, porque pausas são consideradas vitais para a produtividade. O cérebro é um músculo, afinal, e deve ser tratado como tal. Pausas são necessárias para recarregar as baterias.

A Fórmula Mágica Para a Produtividade

A Toyota e outras empresas estabeleceram um exemplo admirável para o país, mas pode demorar um tempo antes de se tornar o padrão.

Outros sugerem que o dia de seis horas de trabalho custa mais no longo prazo, como é o caso do hospital, que precisou contratar mais gente para cobrir as horas extra. Mas para alguns, não se trata mais de gerar o máximo de dinheiro possível; se trata mais de viver uma vida saudável e agradável.

Mais artigos:
21/07/2017 - Público do CONCARH cresce 22% em relação às edições anteriores
13/10/2016 - Os motivos que fazem a carreira em Recursos Humanos estar em alta
11/10/2016 - A geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão
28/09/2016 - e-Social: agora é pra valer!
 
Associação Brasileira de Recursos Humanos Litoral - Regional Itajaí
Sistema Nacional ABRH
Fone: (47) 3342 8877
Rua Samuel Heusi, 463 - Sala 207 - Centro
88301-320 - Itajaí - SC
Todos os direitos reservados 2009.
Desenvolvido por Ydeal Tecnologia.