Newsletter

Cadastre-se e receba nossos informativos

Nome:
Email:
 
Artigos
Carreiras e Incertezas
Em: 03/07/2015 por: Pedro Luiz Pereira

Se vivemos num mundo de mudanças tão bruscas e drásticas a única saída é gostarmos de viver na incerteza, caso contrário, ficaremos intensamente em conflito emocional.  

 A tranquilidade de se trabalhar numa empresa e ter estabilidade perene é coisa do passado. Inventaram “coisas” como o job rotation incentivando as pessoas a fazerem constantemente novas experiências profissionais e ainda criaram um plano de carreira de longo prazo que, na verdade não existe mais. Existem sim projetos de duração limitada, como afirma o professor da London School of Economics do MIT – Massachusetts Institute of Technology e da New York Univesity, Richard Senett.  

 

Hoje posso estar numa empresa, integrado a uma equipe, conhecendo com profundidade determinado trabalho e amanhã estar em outra situação. Não que desejemos isto, mas muitos teóricos que pouco conhecem sobre os seres humanos, espalham suas ideias sem levar em consideração os personagens principais e suas básicas necessidades de convivência.  

 As mudanças constantes de vínculos empregatícios aceleram o senso de pouca fidelidade, pois os laços sociais se tornam mais frágeis.  Precisamos nos adaptar, mas como fazer isto em tão curto espaço de tempo?

 Sem estes laços que realmente integram as pessoas, passamos a conviver em contextos volúveis e que na sequencia tornam-se desleais. Construímos um ambiente onde as pessoas não criam raízes e depois reclamamos que não há comprometimento.

 Observando estes fatos, concluímos que  a realização profissional torna-se mais distante ou até impossível em muitos casos, o que leva as pessoas a um profundo sentimento de insegurança e frustração.

 Os jovens sentem esta situação de um jeito mais drástico e os  conflitos com eles são mais intensos. Eles não percebem a prática daquilo que é divulgado e alardeado nos programas de integração.  Não veem seus lideres com as competências fortalecedoras tão discutidas no mundo acadêmico. Não conseguem ver o link entre a realidade no ambiente de trabalho e os conceitos que constam nos inúmeros livros e revistas do mundo dos negócios.

 

Também não conseguem, nos primeiros anos de empresa, pensar em carreiras de longo prazo, numa sociedade tão imediatista. Por esta razão tonam-se cada vez mais ansiosos. Salvo aqui raras exceções.

 A experiência em muitos casos tornou-se sinônimo de depreciação e isto vem se intensificando conforme nossa sociedade se torna mais tecnológica.  Outro fator agravante que devemos considerar é a de que os jovens são vistos como mais competitivos, pois são mais adaptáveis na volatilidade, ou como queiram alguns, são mais resilientes e os mais maduros penam com esta situação.   

 A resiliência vai contra muitos princípios tradicionais. Nesta questão vivemos mais uma situação antagônica. Nossas empresas, em muitas situações, ainda tem um perfil conservador, especialmente em relação a forma como lideram as pessoas e não são resilientes em relação as suas práticas.

 

Não é por acaso que nos desdobramos para conseguir analisar o que está acontecendo. Queremos pessoas dinâmicas, arrojadas, criativas e inovadoras e também que sejam resilientes, mas não conseguimos criar um ambiente que possa realmente compreender os comportamentos e as aspirações.

 

As pessoas procuram por um sentido em relação a vida profissional. Por não encontrarem isto passam a viver intensos momentos de incertezas e correm atrás de possíveis soluções para as angustias existenciais. Estas pessoas lotam palestras que possam apontar um caminho, como aconteceu recentemente com a tão procurada e comentada Monja Coen na ExpoGestão.  

 Definitivamente as pessoas estão precisando de ajuda. 

 

Fotos:
    
Mais artigos:
21/07/2017 - Público do CONCARH cresce 22% em relação às edições anteriores
13/10/2016 - Os motivos que fazem a carreira em Recursos Humanos estar em alta
11/10/2016 - A geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão
28/09/2016 - e-Social: agora é pra valer!
 
Associação Brasileira de Recursos Humanos Litoral - Regional Itajaí
Sistema Nacional ABRH
Fone: (47) 3342 8877
Rua Samuel Heusi, 463 - Sala 207 - Centro
88301-320 - Itajaí - SC
Todos os direitos reservados 2009.
Desenvolvido por Ydeal Tecnologia.