Newsletter

Cadastre-se e receba nossos informativos

Nome:
Email:
 
Artigos
Dicas para tomar decisões com base no que é realmente importante
Em: 02/04/2015 por: Felipe Dalcarobo - O Sol Diário

Como saber que caminho tomar para chegar além da realização financeira

Por que você faz o que faz hoje? Vivemos nossas vidas sempre em busca de ícones criados pela sociedade. Status, cargos, títulos e, o principal deles: dinheiro. Afinal, é uma maneira de garantirmos que, por mais indecisos que estivermos em determinado momento, se tivermos dinheiro, poderemos trocá-lo pelo que bem entendermos no futuro. Entretanto, muitos de nós acabamos vítimas das armadilhas sociais que nos obrigam a trabalhar cada vez mais para sustentar nosso padrão de vida, quando na verdade tudo o que queremos é nos sentirmos realizados e, falando francamente, amados – se por algum motivo preferir a palavra “reconhecido”, fique à vontade.

Hoje, separei três dicas rápidas para ajudar a driblar a referência financeira para tomar melhores decisões no dia a dia e fazer melhores planos para o futuro.

1. Simplifique.

Se pudesse dar uma só dica, seria essa: busque o simples primeiro. Em geral, buscamos soluções fáceis, por ser o que as pessoas próximas a nós já fizeram, porém o mais fácil pode nos custar mais esforço e dinheiro a médio e longo prazo.

Já vi dezenas de vezes alguns colegas planejando férias mirabolantes, com custos elevados, quando na verdade tudo o que queriam era descansar. Resultado, vários compromissos e cronogramas e uma boa conta para pagar, demandando mais trabalho para quitar as dívidas. 

Se quer trabalhar no centro e estar perto de todos os amigos, não compre uma casa em um novo condomínio isolado, prefira o apartamento simples, mas muito mais próximo de tudo que você gosta. Além de poupar dinheiro, como no caso das férias, você elimina várias coisas que iriam tomar muito mais tempo adicional.
 
2. Sinta antes, decida depois.

Já parou para pensar no que você tem valorizado para tomar decisões em sua carreira? Em geral, acabamos pressionados por demandas urgentes ou ofertas externas e raramente fazemos escolhas realmente conscientes.

Quando se trata de uma promoção ou oferta de emprego, focamos nas características, nos salário e benefícios das empresas, sem pensar no dia-a-dia, nas atividades que buscamos. Fazemos uma comparação de valor baseados em quantidade de benefícios e não na realização.

Assim, aquele trabalho super-ultra-mega-bem-visto acaba mofando sua motivação, porque viu que acaba não fazendo nada do que realmente gostaria de estar fazendo. Para evitar isso, esqueça os comparativos padrão e se imagine atuando. Onde, como, em que e assim por diante.

3. Pense grande.

Nada mais chato do que um chato. Ou melhor, deixe-me corrigir. Nada mais chato que um chato pessimista. Sabe aquele que sempre tem uma crítica conservadora na ponta da língua para desmerecer seus planos mais legais? Então, esse mesmo. Livre-se dele.

Você pode achar isso um pouco rude e pensar que não deveria estar julgando as pessoas. Sabe de uma coisa? Tem toda razão. Porém, não estou julgando ninguém. Na verdade, esse chato pode ser personificado em alguém que você conhece, mas quero te chamar a atenção para esse chato pessimista que vive dentro da sua cabeça, limitando seus passos mais ousados, que poderiam levar realmente a grandes conquistas.

Por mais que você não goste dele, esse chato tem uma função importante: livrar de apuros. Isso acontece devido ao nosso condicionamento, desde pequenos, em que somos incentivados a buscar segurança e fugir de qualquer fracasso.

Sendo assim, o chato pode e deve continuar lá, pois funciona como nosso sistema nervoso periférico, indicando que estamos nos machucando ou enfrentando um desconforto. Caso contrário, poderíamos quebrar ossos e sobrecarregar o corpo de maneira fatal.

Quando o chato se manifestar, escute o que ele tem a dizer e reconheça sua intenção de prevenir de grandes perigos. Porém, pode ajustar alguns detalhes, mas não desvie do seu objetivo se sentir que é importante para você.

Podemos comparar a situação ao que sente um esportista. Seu corpo frequentemente reclama da sobrecarga, com muita dor. Porém, isso não o impede de persistir até seu objetivo, pois sabe que tem algo muito maior a realizar

 

Mais artigos:
21/07/2017 - Público do CONCARH cresce 22% em relação às edições anteriores
13/10/2016 - Os motivos que fazem a carreira em Recursos Humanos estar em alta
11/10/2016 - A geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão
28/09/2016 - e-Social: agora é pra valer!
 
Associação Brasileira de Recursos Humanos Litoral - Regional Itajaí
Sistema Nacional ABRH
Fone: (47) 3342 8877
Rua Samuel Heusi, 463 - Sala 207 - Centro
88301-320 - Itajaí - SC
Todos os direitos reservados 2009.
Desenvolvido por Ydeal Tecnologia.