Newsletter

Cadastre-se e receba nossos informativos

Nome:
Email:
 
Artigos
Quando começam os últimos dias em qualquer cargo?
Em: 27/02/2015 por: Leonardo Trevisan, professor da PUC

O engano começa na imaginária estabilidade nos cargos. O tempo médio de permanência é cada vez mais curto.

O conselho parece sensato: a saída de um cargo é quase tão importante quanto a chegada. A constatação influencia a carreira de qualquer um. Só não é muito praticada. Na empresa, pensar na hora da saída, apenas, “não interessa”.

Erro grave e sem fronteira. Artigo da The Economist (edição de 7/02), com o título “Os últimos 90 dias”, mostra como é difícil saber sair. Desta incompetência não escapou nem Maquiavel, que não saiu “ileso” do governo de Florença. Maquiavel, notou a Economist, sabia como conquistar bem o poder, mas não como e quando deixá-lo.

O engano começa na imaginária estabilidade nos cargos. O tempo médio de permanência é cada vez mais curto. A contínua pressão das ondas tecnológicas expulsa, com rapidez crescente, pessoas de suas funções. Inclusive, os que se julgam estáveis por competência específica. Automação não respeita diplomas. Seja de quem for. Ponto.

É preciso ter consciência de que a sucessão começa, talvez, na chegada ao cargo. Mudanças tecnológicas e de mercado não param. Educação continuada, claro, é o melhor preparo para toda saída organizada. Só que nos parâmetros certos. O cenário de capacitação está em rápida mutação. Buscar maior empregabilidade no mesmo ciclo tecnológico é só mais do mesmo.

O problema da sucessão nos cargos também é, essencialmente, da empresa. Preservar rituais de desenvolver pessoas ajuda, mas não é suficiente. No Brasil, a prática dos “mapas sucessórios” é restrita aos cargos de alta direção.
Poucas vezes atinge gestores médios, quando deveria ser preocupação generalizada. Há literatura consolidada para lidar com este conceito.

Resta saber, o que fazer nos “últimos 90 dias”? Apesar do foco nos cargos mais altos, a Economist listou algumas regras. Enquanto a situação permitir, vale tentar não agir de forma nem lenta, nem apressada, com a premissa de que ficar muito tempo na função, depois dos “sinais”, aumenta o risco de fazer bobagem.

Com dois avisos inesquecíveis da revista: não tome “grandes decisões” nos últimos 90 dias (será sempre pior) e ajude na transição do novo ocupante. Não tente ofuscá-lo. Motivo: é inútil e só aumenta o desgaste. Bons conselhos? Sensatos, com certeza.

Mais artigos:
21/07/2017 - Público do CONCARH cresce 22% em relação às edições anteriores
13/10/2016 - Os motivos que fazem a carreira em Recursos Humanos estar em alta
11/10/2016 - A geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão
28/09/2016 - e-Social: agora é pra valer!
 
Associação Brasileira de Recursos Humanos Litoral - Regional Itajaí
Sistema Nacional ABRH
Fone: (47) 3342 8877
Rua Samuel Heusi, 463 - Sala 207 - Centro
88301-320 - Itajaí - SC
Todos os direitos reservados 2009.
Desenvolvido por Ydeal Tecnologia.