Newsletter

Cadastre-se e receba nossos informativos

Nome:
Email:
 
Artigos
Boa mãe e boa profissional
Em: 04/11/2014 por: Eduardo Ferraz*

Não deve ser fácil decidir entre uma proposta de emprego em troca de abdicar tempo com a família.

Por muitas gerações a prioridade das mulheres, mesmo as que trabalhavam, era a família. Atualmente, o desafio é maior, já que a figura feminina ganha cada vez mais participação no mercado de trabalho, inclusive em cargos de liderança em organizações de todos os tamanhos e segmentos. Ao mesmo tempo, cresce também a relevância das mulheres dentro de casa, sendo elas muitas vezes, responsáveis pelo sustento das famílias.

Conscientes da força desta importante mão de obra e, principalmente, sabendo que para determinadas atividades a presença feminina é fundamental, algumas empresas passaram a ser mais flexíveis e dispostas a negociar condições para que suas funcionárias possam desempenhar, sem culpas, as atividades de mãe como, por exemplo, horários flexíveis, creche na empresa, homeoffice, extensão da licença maternidade, entre outros benefícios.

Por outro lado, realmente não deve ser fácil ter que decidir entre uma proposta tentadora de novo cargo e aumento de salário, em troca de abdicar de mais tempo com a família, até por isso, justificam-se pesquisas que comprovam que os salários das mulheres ainda são menores que dos homens. Isso acontece, pois as empresas têm basicamente quatro “moedas” para oferecer: dinheiro, segurança, status e aprendizado. Quem gosta mais de dinheiro inconscientemente deixará em segundo plano as outras moedas, abrindo mão principalmente da segurança que significaria estabilidade e mais tempo para dedicar à família. Há mais homens ganhando mais e em cargos de chefia, pois eles, ao contrário das mulheres, culturalmente priorizam a carreira e colocam a família em segundo plano.

Para aquelas mães que pensam em aliar o crescimento profissional à dedicação aos filhos, o ideal é avaliar bem qual moeda de troca ela dará prioridade em sua carreira. Normalmente, a escolha pela segurança é quase instintiva. Como têm uma sobrecarga muito maior de tarefas que a dos homens, elas tacitamente aceitam ganhar menos em troca de uma carreira que lhe dê mais segurança e flexibilidade para suas múltiplas jornadas. Não há nada de ruim nisso e uma opção não é melhor que a outra, apenas consequências e tudo tem seu preço.

Já quem está disposta a investir mais tempo na carreira, precisará ter uma boa retaguarda (cuidadores confiáveis, escola em período integral, por exemplo) ou então optar por trabalhar por conta própria, situação que pode definir os horários e jornada de trabalho conforme a idade dos filhos. Não é fácil ser mãe quando os filhos ainda são pequenos e ter uma vida profissional intensa, mas é possível, com uma estratégia bem pensada, atingir os objetivos mais no longo do que no curto prazo, pois afinal os filhos crescem e carreira continua por décadas.

* Eduardo Ferraz é Consultor em Gestão de Pessoas sendo um dos profissionais mais capacitados do Brasil na área de desenvolvimento humano. Atua em consultorias, treinamentos, palestras e é escritor.

Mais artigos:
21/07/2017 - Público do CONCARH cresce 22% em relação às edições anteriores
13/10/2016 - Os motivos que fazem a carreira em Recursos Humanos estar em alta
11/10/2016 - A geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão
28/09/2016 - e-Social: agora é pra valer!
 
Associação Brasileira de Recursos Humanos Litoral - Regional Itajaí
Sistema Nacional ABRH
Fone: (47) 3342 8877
Rua Samuel Heusi, 463 - Sala 207 - Centro
88301-320 - Itajaí - SC
Todos os direitos reservados 2009.
Desenvolvido por Ydeal Tecnologia.