Newsletter

Cadastre-se e receba nossos informativos

Nome:
Email:
 
Artigos
Sete Lições de empreendedorismo que aprendemos com a seleção da Alemanha.
Em: 23/07/2014

Sete Lições de empreendedorismo que aprendemos com a seleção da Alemanha.

A Copa do Mundo acabou. Em meio a tantos problemas e politicagens, também podemos tirar algumas lições de empreendedorismo. Afinal, trata-se de uma competição que envolve equipes, liderança, motivação e estratégia.

E a campanha da Seleção da Alemanha é uma verdadeira aula.

1. Paciência e perseverança

Não é da noite para o dia que você vai alcançar o sucesso. E o mesmo pode se falar de Joachim Löw, atual técnico da Seleção Alemã. Löw trabalha com a seleção desde 2004, quando foi técnico assistente, até que virou técnico titular da jovem seleção alemã, anfitriã da Copa de 2006.

Löw viu sua equipe perder na própria casa pela Itália nas semifinais (e mesmo assim conquistou o terceiro lugar), e nem por isso culpou adversidades, nem arbitragem, nem nada. Sabia que sua equipe ainda era nova e que era apenas o começo. Tinha muito o que melhorar. Com muita paciência e perseverança, a equipe continuou treinando e melhorando, chegando na Copa de 2014 com a garra que tivemos a oportunidade de assistir.

Com empresas é a mesma coisa. A maioria de nós desistimos no primeiro tombo, ou nos primeiros anos. Tenha paciência, e com muita perseverança você terá a oportunidade de ver sua empresa decolar.

2. Conquiste a simpatia do público local

Se você está entrando no mercado que mal te conhece, é muito importante conquistar a simpatia dos seus clientes. Sorria sempre, converse, seja amigável, mostre interesse por sua cultura e agradeça por ter a oportunidade de estar ali com eles.

E os alemães mostraram-se extremamente eficientes nisso. Desde que chegaram ao Brasil mostraram toda sua simpatia e vão deixar saudades para a população de Santa Cruz Cabrália, na Bahia. Conversaram com o povo local, curtiram as praias e até usaram a camisa do Bahia!

E teve a boa sacada da Adidas também, ao fazer o segundo uniforme com as cores do Flamengo, a maior torcida do Brasil.

E o 7 a 1? Quem acredita que a Alemanha não conseguiria fazer mais? E quem acredita que aquele último golzinho do Oscar foi realmente por mérito? A Alemanha não queria humilhar (mesmo tendo humilhado) o país anfitrião e pegou leve no segundo tempo. Por dó? Por respeito? Ou pela necessidade de não perder a simpatia que tanto lutaram para conquistar? Todas elas.

 

Os alemães precisavam ganhar a torcida brasileira, pois, com isso ganharia mais forças e apoio para levantar o caneco. Ainda mais numa final contra uma torcida gigante que foi a da Argentina.

3. Ajude a arrumar a festa

Sabe quando você convida seus amigos para um churrasco em sua casa e eles te ajudam? Por mais que você tenha bancado a maior parte das carnes, são aqueles amigos que trazem a sobremesa e ajudam ao lavar a louça que são os que realmente fazem a festa valer a pena.

E esses convidados são os alemães. Vieram para festa, ficaram até o final (e que final!) e ajudaram a arrumar a casa: doaram 10 mil Euros para uma comunidade indígena para a compra de uma ambulância, doaram materiais e móveis para uma escola, financiamento da construção de um campo de futebol para os moradores locais e a doação de 25 bicicletas que eles iriam usar localmente para as crianças.

Não é nada que vá fazer mudar completamente a situação do país, mas puxou a simpatia de pessoas do país inteiro.

E se você está participando de algum evento como patrocinador, mostre sua preocupação com os clientes, e não apenas com a campanha.

4. Marketing em mídias sociais

Os jogadores alemães mantiveram um forte engajamento com a torcida brasileira pelas mídias sociais. O tempo todo postavam mensagens de agradecimento ao povo brasileiro e motivação para a seleção brasileira.

Após a goleada, os jogadores alemães lembraram de sua derrota em 2006, a fim de confortar a derrota dos brasileiros.

5. Trabalho em equipe

Não existe equipe de um homem só. No futebol (e no empreendedorismo também!) o que faz a empresa é a equipe. De nada adianta ter um craque se o resto da equipe não faz nada (e a Seleção Brasileira é a prova disso).

A Seleção Alemã atual é conhecida por não ter craques (o que eu discordo), mas sim por ser uma equipe entrosada e motivada.

Ou seja, você não precisa ter o melhor expert na área para ter a melhor empresa do mundo na área, mas uma boa equipe e com uma boa cultura.

6. Adaptação rápida

Com certeza, na minha opinião, o ponto mais forte da equipe Alemã. A cada jogo a formação tática estava completamente diferente. E mesmo durante a partida a equipe mudava completamente, principalmente o meio de campo. Os alemães souberam se adaptar contra seus adversários, seja apertando a defesa, partindo para o ataque ou aproveitando o contra-ataque.

E como empresário você também tem que saber se adaptar de acordo com a música. Não é porque aquele formato é o que você está acostumado a trabalhar que trará os melhores resultados. Na primeira mudança de comportamento do mercado você tomará o pior tombo de sua vida. Saiba se adaptar.

7. Humildade e Fair Play

A Alemanha chegou quietinha. A mídia chamava a atenção para seleções como Brasil e Espanha, e para jogadores como Neymar, Cristiano Ronaldo e Messi. Sem estrelinhas, a Alemanha só atraiu as atenções após a primeira goleada da Copa contra Portugal em suas primeiras partidas. E nem por isso a Alemanha ficou nos holofotes. Continuaram a fazer seu futebol sem contar vantagem para cima de ninguém.

Com muitos jogos sofridos como Ghana (2×2), EUA (1×0), a surpreendente Argélia (2×1 na prorrogação) e França (1×0), a Alemanha soube reconhecer a qualidade de seu adversário e conquistar a vitória. E mesmo nas goleadas em cima de grandes times como Brasil e Portugal, os alemães mantiveram o perfil quieto e tranquilo.

Um futebol limpo e praticamente sem faltas. Mesmo na final contra a agigantada Argentina, com o drama de chegar na prorrogação sem nenhum gol, a equipe estava firme e forte. Tirando alguns poucos incidentes, fica aqui meus parabéns para a Alemanha e para a Argentina também pelo futebol limpo.

No futebol, no empreendedorismo e na vida, o importante é você fazer o que gosta e o que sabe fazer melhor. Sem precisar apelar para o incorreto. Com habilidade e perseverança, a vitória será sua.

Por: Giovana Rossa: Analista de comunicação na Qualyteam.

Graduada em Psicologia e pós-graduada em Gestão de Marketing e Mídia Digita.

Mais artigos:
21/07/2017 - Público do CONCARH cresce 22% em relação às edições anteriores
13/10/2016 - Os motivos que fazem a carreira em Recursos Humanos estar em alta
11/10/2016 - A geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão
28/09/2016 - e-Social: agora é pra valer!
 
Associação Brasileira de Recursos Humanos Litoral - Regional Itajaí
Sistema Nacional ABRH
Fone: (47) 3342 8877
Rua Samuel Heusi, 463 - Sala 207 - Centro
88301-320 - Itajaí - SC
Todos os direitos reservados 2009.
Desenvolvido por Ydeal Tecnologia.