Newsletter

Cadastre-se e receba nossos informativos

Nome:
Email:
 
Artigos
Os 10 erros nas redes sociais que mais afastam recrutadores
Em: 08/07/2014

Pesquisa com mais de 5 mil empregadores prova que a impressão causada pelo seu perfil nas redes afeta (e muito) suas chances de contratação; veja o que evitar

 

Gerir sua reputação profissional ficou bem mais difícil com as redes sociais. De que adianta impressionar o entrevistador com um currículo afiado se ele tiver uma péssima impressão do seu perfil no Facebook ou no LinkedIn, por exemplo?

Um estudo do site de recrutamentoCareerBuilder mostrou que 43% dos recrutadores buscam informações adicionais sobre candidatos nesses espaços online.

O mais notável é que a consulta a esses sites tem influenciado muito a decisão de quem contrata. A mesma pesquisa mostrou que 51% dos empregadores que usam as redes sociais para esse fim não contrataram um candidato em virtude do conteúdo que encontraram sobre eles   nesses sites.

Veja a seguir os comportamentos nas redes sociais que mais provocam a rejeição dos empregadores, segundo o CareerBuilder, com os comentários de Denise Cavalcanti, gerente de recursos humanos da Luandre:

1. Informações ou fotos provocativas ou inapropriadas

Porcentagem de reprovação: 46%

“Uma foto mais sensual que você tirou na praia, por exemplo, atrapalha, e muito, a imagem de seriedade que você precisa transmitir como candidato”, diz Denise Cavalcanti, gerente de recursos humanos da Luandre.

Segundo ela, não há problema em querer compartilhar esse tipo de conteúdo em uma rede social pessoal, como o Facebook, por exemplo. “A dica é ajustar as suas configurações de privacidade para que aquelas postagens só apareçam para os seus amigos”, comenta a especialista.

2. Informações sobre consumo de álcool ou drogas

Porcentagem de reprovação: 41%

Enquanto drogas ilícitas provavelmente afastarão um recrutador, uma foto eventual do fim de semana no bar com os amigos não riscará a imagem de ninguém.

“A questão é a frequência com que isso aparece na página dele”, explica Denise. O candidato pode ficar mal visto se ficar aparente que a maioria das interações sociais da pessoa está ligada, de alguma forma, ao consumo do álcool.

3. Reclamações sobre ex-empregadores ou ex-colegas

Porcentagem de reprovação: 36%

“Se você usa as redes sociais para falar mal de pessoas ligadas ao seu emprego anterior, a imagem que fica é a de que você não consegue resolver conflitos encarando-os”, afirma a gerente de recursos humanos da Luandre.

Mesmo reclamações mais banais, sobre o cardápio ruim do restaurante, por exemplo, devem ser evitadas. “A caixinha de sugestões existe por um motivo”, diz a especialista.

4. Pouca habilidade de comunicação

Porcentagem de reprovação: 32%

Erros de português ou “internetês” podem atestar falta de domínio da língua ou, no mínimo, descuido.

“Mesmo se você escreve alguma coisa errado de propósito, para ser engraçado, pode ser mal interpretado, já que o recrutador não conhece você”, diz Denise.

5. Comentários discriminatórios ligados a raça, gênero, religião, etc

Porcentagem de reprovação: 28%

A diversidade é um valor importante para a sociedade atual. “Se você demonstra ser uma pessoa avessa às diferenças, agressiva e intolerante, muitas portas se fecharão”, afirma Denise.

O mesmo cuidado vale para o humor. “Embora o julgamento seja mais subjetivo nesse caso, piadas ‘politicamente incorretas’ tendem a ser mal recebidas”, explica a especialista.

6. Mentira sobre qualificações

Porcentagem de reprovação: 25%

O empregador perderá a confiança em um candidato que afirma uma coisa no currículo e outra no LinkedIn.

Por isso, é importante manter atualizadas e coerentes todas as suas informações profissionais disponíveis na internet.

7. Informações confidenciais sobre ex-empregadores

Porcentagem de reprovação: 24%

Só vale compartilhar o quanto a sua empresa faturou ou quem será contratado se essas informações forem tornadas públicas pelo próprio empregador.

“Se você foi indiscreto antes, nada garante que não repetirá esse comportamento no seu próximo emprego”, comenta Denise.

8. Ligação com práticas criminosas

Porcentagem de reprovação: 22%

Mesmo crimes considerados “mais leves”, como fazer download ilegal de filmes e séries, podem ter um impacto negativo na sua imagem, segundo Denise.

“Depende muito da visão pessoal do recrutador o quanto evidências de infrações supostamente menos graves podem prejudicar um candidato”, explica.

9. Apelido não profissional

Porcentagem de reprovação: 21%

“Depende muito de caso para caso, mas em geral os apelidos podem significar falta de maturidade ou de seriedade”, diz Denise.

De acordo com ela, ter um nome engraçadinho em redes sociais mais descontraídas como o Twitter ou o Facebook não pesa tanto. No LinkedIn, é equivalente a reprovação.

10. Mentira sobre uma ausência

Porcentagem de reprovação: 13%

“Faltar numa etapa do processo seletivo e fazer check-in num jogo de futebol pelo Foursquare, por exemplo, é uma daquelas atitudes que temos até dificuldade de entender”, ri Denise.

O recrutador perderá imediatamente a confiança no candidato que não disser a verdade. “Sem ser transparente, dificilmente levarão qualquer outra coisa que você disser a sério”, afirma a especialista.

Fonte: Exame.com

 

 

 

 

Mais artigos:
21/07/2017 - Público do CONCARH cresce 22% em relação às edições anteriores
13/10/2016 - Os motivos que fazem a carreira em Recursos Humanos estar em alta
11/10/2016 - A geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão
28/09/2016 - e-Social: agora é pra valer!
 
Associação Brasileira de Recursos Humanos Litoral - Regional Itajaí
Sistema Nacional ABRH
Fone: (47) 3342 8877
Rua Samuel Heusi, 463 - Sala 207 - Centro
88301-320 - Itajaí - SC
Todos os direitos reservados 2009.
Desenvolvido por Ydeal Tecnologia.