Newsletter

Cadastre-se e receba nossos informativos

Nome:
Email:
 
Artigos
Pressão por resultados e o assédio moral coletivo
Em: 25/03/2014

Pressão por resultados e o assédio moral coletivo

Por Heli Gonçalves Moreira*

Como está a pressão por resultados na minha empresa? Esta é uma pergunta que todo empresário deveria se fazer com frequência. Se, por um lado, ela é absolutamente necessária, por outro, seu mau uso pode ser desastroso em médio e longo prazo.

Matéria da Folha de S. Paulo de fevereiro informa que, de 2003 a 2013, foram assinados pelas empresas 1.787 TACs – Termos de Ajustamento de Conduta - confessando a prática de assédio moral coletivo, o que corresponde a mais de três por semana.

O impacto dessa nova atuação do Ministério Público do Trabalho se torna mais expressivo se considerarmos o crescimento constante e progressivo deste número.

A preocupação aumenta se contarmos com os casos de empresas que não optaram pelo TAC e enfrentaram uma ação civil pública, mesmo com o risco de pesadas condenações aplicadas pelos Procuradores do Ministério Público do Trabalho (MPT), estes cada vez mais disponíveis para denúncias, bastando que o denunciante procure o órgão em seu município ou região ou o faça pela internet.

De acordo com a revista Veja de 26 de fevereiro de 2014, somente no Estado de São Paulo, houve um crescimento de 120% de inquéritos por assédio moral coletivo entre 2010 (359) e 2013 (792). Na Bahia saltou de um, em 2001, para 981 em 2010. Sinal de que a estrutura fiscalizadora do MPT está funcionando.

Os casos de assédio moral nos setores comercial, de call center e bancário foram superados pelo setor industrial.

A complexidade dessa prática passa pela análise de suas causas e seus efeitos. São duas as causas geradoras dos impactos do assédio moral: a primeira, inevitável, é a necessidade de as empresas se manterem competitivas; e a segunda, evitável, está relacionada ao ajuste fino de suas políticas, diretrizes e práticas recomendadas.

Já para analisarmos os efeitos, precisamos considerar duas condições mitigadoras: uma comunicação interna aberta, onde a empresa informa objetivamente a real situação, seja ela boa ou má, e estimula o trabalhador a reagir e se manifestar, sem medo de repressão; e a capacitação e comprometimento dos gestores na prática de uma comunicação eficiente.

A erradicação do assédio moral no ambiente de trabalho, individual ou coletivo, é praticamente impossível, uma vez que sua definição está relacionada a aspectos, por vezes, subjetivos e eventuais. Mas uma comunicação aberta e receptiva dos gestores é absolutamente possível e garantirá às empresas que suas políticas, diretrizes e valores estão sendo praticados, assegurando ainda mecanismos práticos de defesa em casos de denúncias infundadas.

Assumir esse desafio é o primeiro passo para se obter o compromisso e o engajamento de todos na direção das metas organizacionais, sejam elas comerciais ou produtivas.

 

*Heli Gonçalves Moreira é fundador e sócio diretor da HGM Consultores.

 

Fonte: ABRH Nacional 

Mais artigos:
21/07/2017 - Público do CONCARH cresce 22% em relação às edições anteriores
13/10/2016 - Os motivos que fazem a carreira em Recursos Humanos estar em alta
11/10/2016 - A geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão
28/09/2016 - e-Social: agora é pra valer!
 
Associação Brasileira de Recursos Humanos Litoral - Regional Itajaí
Sistema Nacional ABRH
Fone: (47) 3342 8877
Rua Samuel Heusi, 463 - Sala 207 - Centro
88301-320 - Itajaí - SC
Todos os direitos reservados 2009.
Desenvolvido por Ydeal Tecnologia.